Responsabilidade sobre o conteúdo das matérias Colaboradores Especiais

Brasil - 30/01/2017

Educação deve fazer as pessoas se conectarem com seus talentos, diz Ken Robinson

* Mariana Tokarnia Enviada especial da Agência Brasil - Edição: Luana Lourenço em 30/01/2017

foto da matéria
Ken Robinson
A vontade de aprender não é o problema principal nas escolas, mas a própria organização dos sistemas de ensino. É o que defende um dos educadores mais populares do mundo, Ken Robinson, declaradamente contra qualquer forma de padronização do ensino. Com o vídeo Será que as escolas matam a criatividade: ( https://www.ted.com/talks/ken_robinson_says_schools_kill_creativity?language=pt-br ) Robinson foi visto mais de 43 milhões de vezes na plataforma TED [sigla para Tecnologia, Entretenimento e Design], organização global que tem por objetivo disseminar boas ideias. Robinson participou da British Educational Training and Technology (BETT) Show em Londres, onde falou para mais de mil educadores, estudantes e visitantes da feira.

“A educação tem um papel fundamental e profundo em fazer as pessoas se conectarem com os próprios talentos”, defende Robinson. Para ele, as escolas devem ter autonomia para desenvolver as próprias formas de abordagem e dar ênfase a conteúdos que considerarem fundamental para estudantes de determinada região e realidade.

Segundo o especialista, a maior parte dos sistemas educacionais do mundo vão na contramão de valorizar o indivíduo, com massificação e padronização excessiva do que deve ser ensinado e quando se deve ensinar. “Nos últimos 20 anos, os governos têm tentado melhorar a educação e não têm sido bem-sucedidos. Isso ocorre, em parte, porque as pessoas que fazem as reformas não sabem muito de educação e, em parte, porque querem padronizar, tomar controle de tudo, do currículo e outros aspectos. E ainda porque incentivam a competição, seja entre professores, seja entre alunos”, criticou.

Ken Robinson é autor, palestrante e consultor internacional em educação e artes. Por 12 anos foi professor de educação em artes na Universidade de Warwick, no Reino Unido. Ele liderou projetos nacionais e internacionais de educação criativa e cultural no Reino Unido, em outros países da Europa, e também na Ásia e nos Estados Unidos.

Para o consultor, uma vez que as pessoas são diferentes e estão inseridas em contextos diferentes, as escolas deveriam ser capazes de identificar as melhores maneiras de ensiná-los e de fazer com que cada estudante avance em ritmo próprio. “As crianças amam aprender. Aliás, todos amam aprender, mas alguma coisa acontece na maneira como organizamos a nossa escola. Muitas pessoas vão à escola e acabam por não se sentir inteligentes ou capazes. Não porque não sejam, mas porque o sistema não foi capaz de identificar no que eles são bons.”

De acordo com Robinson, todo o sistema educacional deve ser revisto, desde as questões mais fundamentais, como a divisão do aprendizado por idade. “Educamos por idade. Por que? A escola é o único lugar em que separamos as crianças e adolescentes assim. Quando eles saem, não vivem assim. O sistema cria um problema. Alguns aprendem mais rápido ou mais devagar e poderiam ser agrupados independente da idade”, sugere. “A escola é uma comunidade para o aprendizado, para que pessoas aprendam de e com outras. O coração de uma boa escola não é a escola em si, mas a relação entre estudantes e professores. Em termos de espaço físico, as escolas podem ser em qualquer lugar”, acrescenta.

Ciência no Youtube
O youtuber Charlie McDonnell, dono do canal charlieissocoollike: ( http://charlieissocoollike%20-%20https//www.youtube.com/user/charlieissocoollike ) e do projeto Fun Science (Ciência Divertida) também esteve no BETT Show. Ele começou a disponibilizar vídeos online sobre ciências quando tinha 16 anos. Hoje, nove anos depois, conquistou mais de 2,3 milhões de seguidores após ser o primeiro youtuber do Reino Unido a conquistar um milhão de assinantes.

“Quero despertar nas pessoas a mesma paixão que eu tenho por ciências. Quando estava na escola, ciências era uma matéria como qualquer outra. Um dia, entendi que não é apenas uma disciplina, mas a forma como o ser humano entende o mundo ao redor e do qual faz parte”, diz. “Se as pessoas se importassem e tivessem um conhecimento mínimo de ciências poderíamos mudar questões como o aquecimento global.”

Para McDonnell, o segredo para conquistar seguidores e despertar o interesse dos espectadores é primeiro estar apaixonado pelo que se está explicando. “Se eu entendo e tenho interesse, esse é o primeiro passo para fazer com que os outros também se interessem. Depois eu tenho simplificar e explicar de uma forma que eu mesmo entenderia”, resume.

McDonnel não foi o único a ganhar fama com conteúdos educacionais no Youtube. Entre os canais da plataforma mais populares no Brasil está Manual do Mundo: ( http://https//www.youtube.com/ManualdoMundo ), com mais de 7,4 milhões de seguidores. O canal se descreve como um lugar para aprender de tudo. Os vídeos ensinam desde fazer uma melancia ter a forma de um tubarão a entender como se faz um skate elétrico.

O BETT Show ocorreu em Londres de 25 a 28 de janeiro. O evento é um dos maiores encontros de educação e tecnologia do mundo, onde diversas empresas e educadores se reúnem para discutir educação e apresentar as tendências de mercado. Conta também com a participação de políticos e ministros da Educação de diversos países.

url fixa: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2017-01/educacao-deve-fazer-pessoas-se-conectarem-com-seus-talentos-diz-ken
* *A repórter viajou a convite da Ascential, organizadora da Bett Educar no Brasil


Voltar Mais Especiais...


Editora do site: Vital Comunicações - WhatsApp e Fone OI (51) 98406-0092 e-Mail: juarez@owicki.com.br